quinta-feira, 31 de julho de 2014

LIBRAS ALCANÇANDO A EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS. FUNDAMENTAL

SEME abre 60 vagas para curso de LIBRAS

    A Secretaria Municipal de Educação de Rio Branco (SEME) abrirá de 10 a 11 de julho as inscrições para 60 vagas no curso básico de Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS) com duração de três meses. 40 vagas são destinadas aos professores de Ensino Infantil e Ensino Fundamental (1º ao 5º ano), sendo professor que atenda aluno com surdez; professor da sala comum; professor mediador, e equipe gestora –e 20 vagas para profissionais e comunidade em geral.
As aulas começam dia 4 de agosto e terminam em 4 de novembro deste ano e ocorrerão sempre no período da noite, nas segundas, terças e quartas-feiras, das 18h às 21h no auditório da SEME na Rua Quintino Bocaiúva, 1.833, no Bosque.
Para a inscrição é necessário a apresentação de fotocópia da carteira de identidade e foto 3x4. Melhores informações podem ser obtidas através dos telefones 3211-2486 /3211 -2425.

sábado, 26 de julho de 2014

PARABÉNS AOS INTERPRETES DE LIBRAS

Desejo a todos que lutam pela inclusão e aos interessados em aprender essa língua fabulosa, um maravilhoso dia do interprete!!




sexta-feira, 18 de julho de 2014

SOCORRISTAS E A LIBRAS

Últimas vagas para os cursos de Libras e Socorrista na Faculdade Unicampo 

A Faculdade Unicampo está com as inscrições abertas para as últimas vagas dos cursos de extensão de Língua Brasileira de Sinais - Libras e Socorrista. Os interessados podem realizar sua inscrição pelo site www.faculdadeunicampo.edu.br. 

O curso de Libras tem a finalidade de facilitar a comunicação entre o ouvinte e a pessoa surda e promover o conhecimento em relação à cultura e a história do surdo. Outro aspecto positivo da Libras é a sua utilização em programas de televisão, palestras, eventos sociais diversos, tornando-se uma prática que vem sendo cada vez mais comum e que tem a tendência de alcançar outros âmbitos sociais. O curso é aberto à comunidade e tem a duração de 7 meses. As aulas serão realizadas em dois sábados por mês no horário das 8h às 12h e 13h30 às 17h.

O curso de socorrista tem como finalidade qualificar de forma teórica e prática o profissional para a atuação em situações de Urgências e Emergências em Pré-Atendimento Hospitalar e também prestar assistência de forma correta às vítimas de acidentes ou doença súbita até a chegada de uma equipe médica.O Curso de Socorrista tem a duração de 10 meses, com carga horária de 250 horas/aulas e será realizado em dois sábados por mês. O curso destina-se às pessoas maiores de 18 anos e que possuem Ensino Médio completo.

Para maiores informações entrar em contato pelos telefones (44) 3016-7100 e (44) 9995-0042.

CAPACITAÇÃO GRÁTIS PARA EDUCADORES

Nós, da Fundação Telefônica Vivo, gostaríamos de contar com sua colaboração na divulgação do curso online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil. Iniciaremos em agosto de 2014 mais uma edição do curso e todos os educadores brasileiros são nossos convidados.
O cursototalmente online e gratuito, é oferecido aos educadores das escolas brasileiras. O foco da capacitação é informar, formar e mobilizar educadores, alunos e comunidades para que atuem no combate ao trabalho infantil em nosso país, tanto em ações diretas, quanto na formação de uma cultura de direitos em que o trabalho infantil não seja aceito como natural e positivo.
Com três meses de duração e 60 horas de carga horária, conta com vídeo aulas gravadas por grandes especialistas em direitos e deveres de crianças e adolescentes, parte deles, inclusive, redatores do ECA. 
Aqueles que completarem os seis módulos do curso receberão certificado emitido pela Faculdade FIA de Administração e Negócios.
A formação se inicia em 19 de agosto próximo, e as inscrições estão abertas. A disponibilidade de vagas depende de cada região do país.
Para se inscrever clique no link abaixo, ou copie o mesmo e cole na barra de endereços do programa que usa para acessar a internet.
Caso você esteja inscrito na Rede Promenino, será solicitada a sua senha nesta rede. Caso não se lembre dela, clique em “Esqueci minha senha”, e a receberá pelo seu e-mail.
FIQUE ATENTO: os selecionados receberão um e-mail confirmando a matrícula entre 1 e 10 de agosto.
Importante: são necessárias, em média, 4 horas semanais de dedicação ao curso. Somente solicite a sua inscrição se você realmente tiver condições de realizá-lo. Muitos educadores de todo o Brasil estão interessados e o número de vagas é insuficiente para atender a todos.
Veja mais detalhes sobre o curso no hotsite do projeto http://www.promenino.org.br/Cursos/a-escola-no-combate-ao-trabalho-infantil-ecti.
Para qualquer dúvida, utilize SOMENTE o e-mail do curso: ecti6@promenino.org.br Nossa equipe está à disposição para ajuda-lo(a).
Ex-alunos que não concluíram o curso podem se inscrever e fazê-lonovamente.
Ajude-nos a divulgar o curso compartilhando este convite com seus amigos educadores e em suas redes sociais. Desde já, muito obrigado.
IMPORTANTE: NÃO RESPONDA ESTE E-MAIL! ELE É UTILIZADO APENAS PARA O ENVIO DE MENSAGENS. PARA QUALQUER AJUDA, USE O E-MAIL ecti6@promenino.org.br
Você já havia recebido este e-mail de divulgação do curso? Clique aqui e responda.
Atenciosamente,
                                                                                           Fundação Telefônica | Vivo

quarta-feira, 9 de julho de 2014

SISTEMA BRAILLE

Como funciona o sistema Braille?

Renata Costa 
Foto: Tatiana Cardeal
Foto: Tatiana Cardeal
O sistema Braille é um processo de escrita e leitura baseado em 64 símbolos em relevo, resultantes da combinação de até seis pontos dispostos em duas colunas de três pontos cada. Pode-se fazer a representação tanto de letras, como algarismos e sinais de pontuação. Ele é utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão, e a leitura é feita da esquerda para a direita, ao toque de uma ou duas mãos ao mesmo tempo.
O código foi criado pelo francês Louis Braille (1809 - 1852), que perdeu a visão aos 3 anos e criou o sistema aos 16. Ele teve o olho perfurado por uma ferramenta na oficina do pai, que trabalhava com couro. Após o incidente, o menino teve uma infecção grave, resultando em cegueira nos dois olhos.
O Brasil conhece o sistema desde 1854, data da inauguração do Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro, chamado, à época, Imperial Instituto dos Meninos Cegos. Fundado por D. Pedro II, o instituto já tinha como missão a educação e profissionalização das pessoas com deficiência visual. "O Brasil foi o primeiro país da América Latina a adotar o sistema, trazido por José Álvares de Azevedo, jovem cego que teve contato com o Braille em Paris", conta a pedagoga Maria Cristina Nassif, especialista no ensino para deficiente visual da Fundação Dorina Nowill.
O código Braille não foi a primeira iniciativa que permitia a leitura por cegos. Havia métodos com inscrições em alto-relevo, normalmente feito por letras costuradas em papel, que eram muito grandes e pouco práticos. Quatro anos antes de criar seu método, Louis Braille teve contato com um capitão da artilharia francesa que havia desenvolvido um sistema de escrita noturna, para facilitar a comunicação secreta entre soldados, já utilizando pontos em relevo. Braille simplificou esse trabalho e o aprimorou, permitindo que o sistema fosse também utilizado para números e símbolos musicais.
O Braille hoje já está difundido pelo mundo todo e, segundo pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil", de 2008, do Instituto Pró-Livro, 400 mil pessoas leem Braille no Brasil. Não é possível, segundo o Instituto Dorina Nowill, calcular em porcentagem o que esses leitores representam em relação à quantidade total de deficientes visuais no país. Isso porque o censo do ano 2000, realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aponta que há 169 mil pessoas cegas e 2,5 milhões de pessoas com baixa visão. No entanto, este último grupo é muito heterogêneo - há aqueles que enxergam apenas 1% e, portanto, poderiam ler apenas em Braille, como pessoas que enxergam 30% e podem utilizar livros com letras maiores.
A falta de informação é ainda o principal problema que Maria Cristina percebe em relação ao Braille. "Muitos professores acham que é simples ensinar o Braille a um aluno cego. No entanto, a alfabetização com esse sistema tem suas especificidades, e o professor, para realizar essa tarefa com êxito, tem de buscar ajuda", explica a especialista.
Hoje institutos como o Benjamin Constant, o Dorina Nowill e muitos outros pelo país oferecem programas de capacitação em Braille e dispõem de vasto material sobre o assunto.

terça-feira, 8 de julho de 2014

LEGISLAÇÃO DA ACESSIBILIDADE

Leis de acessibilidade ao Deficiente auditivo 

Lei Federal nr. 6.606 de 07 de dezembro de 1978
Art.1º são as emissoras de televisão em todo o país obrigada a incluir, nas suas programações semanais de filmes estrangeiros, de preferência aos sábados, pelo menos um filme com legendas em português.

Resolução nr. 734/1989 - Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN 
• art.54 o candidato à obtenção de carteira Nacional de habilitação, portador de deficiência auditiva igual ou superior a 40 decibéis, considerado apto no exame otoneurológico, só poderá dirigir veículo automotor das categorias A ou B.

 • Parágrafo 1º os veículos automotores dirigidos por condutores com a deficiência auditiva de que trata este, deverão estar equipados com: espelho retrovisor interno que permita a visão da via, quando se tratar de veículo de 4 rodas ou mais. parágrafo 2º os condutores de veículos automotores habilitados nas categorias C, D, e que , na renovação de exame de sanidade física e mental, vierem a acusar deficiência auditiva igual ou superior a 40 decibéis, estarão impedidos para a direção de veículos dessas categorias.
 
Lei Federal nr. 8.160 de 08 de janeiro de 1991
• Art. 1º É obrigatória a colocação de forma visível, do símbolo internacional de surdez em todos os locais que possibilitem acesso, circulação e utilização por Pessoas Portadoras de Deficiência Auditiva, e em todos os serviços que forem postos à sua disposição ou que possibilitem seu uso

Decreto nr. 2.592 de 15 de maio de 1998

• Plano Geral de metas para a Universalização do Serviço Telefônico fixo comutado prestado no Regime Público.

•• Art.6º a partir de 31 de dezembro de 1999. A Concessionária deverá assegurar condições de acesso ao serviço telefônico para Deficientes Auditivos e da fala:

•• Tornar disponível Centro de atendimento para Intermediação da Comunicação (1402).
 
Lei nº 59/98 de 25-08-1998
 
• ANEXO - CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
 
• PARTE I
• LIVRO II - Dos atos processuais
 
• TÍTULO II - Da forma dos atos e da sua documentação
 
• Artigo 93.º - Participação de surdo, deficiente auditivo ou de mudo
       1 - Quando um surdo, deficiente auditivo ou um mudo devam prestar declarações, observam-se as seguintes regras: 

              a) Ao surdo ou deficiente auditivo é nomeado intérprete idóneo de língua gestual, leitura labial ou expressão escrita, conforme mais adequado à situação do interessado; 
              b) Ao mudo, se souber escrever, formulam-se as perguntas oralmente, respondendo por escrito. Em caso contrário e sempre que requerido nomeia-se intérprete idóneo. 

       2 - A falta de intérprete implica o adiamento da diligência. 
       3 - O disposto nos números anteriores é aplicável em todas as fases do processo e independentemente da posição do interessado na causa.
 
Decreto nr3.298 de 20 de dezembro de 1999
 
•• Art.4º é considerada Pessoa Portadora de Deficiência aquela que enquadrar nas seguintes categorias:
 
A)      De 25 a 40 Decibéis (D.B.) - Surdez Leve;
B)      De 41 a 55 (D.B.) - Surdez  Moderada;
C)      De 56 a 70 (D.B.) - Surdez  Acentuada;
D)      De 71 a 90 (D.B.) - Surdez  Severa;
E)      De acima de 91 (D.B.) - Surdez Profunda;
F)      Anacusia (Profunda)
 
Resolução nr. 02 de 11 de setembro de 2001
 
Parágrafo único: O atendimento escolar desses alunos terá início na educação infantil, nas  creches e pré-escolas, assegurando-lhes os serviços de educação especial sempre que se evidencie, mediante avaliação e interação com a família e a comunidade, a necessidade de atendimento educacional especializado.
 
• Art. 2º Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo às escolas organizar-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos.
 
Parágrafo único: Os sistemas de ensino devem conhecer a demanda real de atendimento a alunos com necessidades educacionais especiais, mediante a criação de sistemas de informação e o estabelecimento de interface com os órgãos governamentais responsáveis pelo Censo Escolar e pelo Censo Demográfico, para atender a todas as variáveis implícitas à qualidade do processo formativo desses alunos.
 
• Art. 5º Consideram-se educandos com necessidades educacionais especiais os que, durante o processo educacional, apresentarem:
 
I - dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que
dificultem o acompanhamento das atividades curriculares, compreendidas em dois grupos:
 
a) aquelas não vinculadas a uma causa orgânica específica;
b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências;
 
II – dificuldades de comunicação e sinalização diferenciadas dos demais alunos, demandando a utilização de linguagens e códigos aplicáveis;
III - altas habilidades
superdotação, grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e atitudes.

Lei federal nr.10436  de 24 de abril de 2002
 
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
 
•• Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
 
Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.
 
•• Art. 2o Deve ser garantido, por parte do poder público em geral e empresas concessionárias de serviços públicos, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difusão da Língua Brasileira de Sinais - Libras como meio de comunicação objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas do Brasil.
 
•• Art. 3o As instituições públicas e empresas concessionárias de serviços públicos de assistência à saúde devem garantir atendimento e tratamento adequado aos portadores de deficiência auditiva, de acordo com as normas legais em vigor.
 
•• Art. 4o O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e de Magistério, em seus níveis médio e superior, do ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente.
Parágrafo único. A Língua Brasileira de Sinais - Libras não poderá substituir a modalidade escrita da língua portuguesa.
 
••  Art. 5o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
 
Brasília, 24 de abril de 2002; 181o da Independência e 114o da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Paulo Renato Souza
 
Decreto nr. 5.626 de 22 de dezembro de 2005
 
CAPÍTULO II
 
DA INCLUSÃO DA LIBRAS COMO DISCIPLINA CURRICULAR
 
        Art. 3o  A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
 
        § 1o  Todos os cursos de licenciatura, nas diferentes áreas do conhecimento, o curso normal de nível médio, o curso normal superior, o curso de Pedagogia e o curso de Educação Especial são considerados cursos de formação de professores e profissionais da educação para o exercício do magistério.
 
        § 2o  A Libras constituir-se-á em disciplina curricular optativa nos demais cursos de educação superior e na educação profissional, a partir de um ano da publicação deste Decreto. 

 Lei nr. 11.796 de 29 de outubro de 2008  -  Institui o Dia Nacional dos Surdos.
 
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. 1o Fica instituído o dia 26 de setembro de cada ano como o Dia Nacional dos Surdos. 
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
 
Brasília, 29 de outubro de 2008; 187o da Independência e 120o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Fernando Haddad
  
Lei nr. 12.319  de 01 de setembro de 2010 -Lei que regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete em LIBRAS
 
 O novo profissional terá competência para realizar interpretação das duas línguas de maneira simultânea ou consecutiva e proficiência em tradução e interpretação da Libras e da Língua Portuguesa.
A formação profissional do tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa, em nível médio, deve ser realizada por meio de: cursos de educação profissional reconhecidos pelo Sistema que os credenciou; cursos de extensão universitária; e cursos de formação continuada promovidos por instituições de ensino superior e instituições credenciadas por Secretarias de Educação.
De acordo com a nova lei, até o dia 22-12-2015, a União, diretamente ou por intermédio de instituições credenciadas, promoverá, anualmente, exame nacional de proficiência em Tradução e Interpretação de Libras - Língua Portuguesa. 
 

DISTRIBUIÇÃO DE DVD'S DE LIBRAS

EVESP  reuniu todos os módulos do curso de Libras em um único DVD
EVESP reuniu todos os módulos do curso de Libras em um único DVD
Os alunos matriculados no Curso de Libras da Secretaria da Educação do Estado têm mais um suporte para acompanharem as aulas. A Escola Virtual de Programas Educacionais (EVESP), responsável pela formação, reuniu todos os módulos em um único DVD. A ideia é que o material, que pode ser solicitado na própria unidade de ensino, auxilie os estudantes com dificuldades no acesso à internet.
Conforme informações da Secretaria da Educação, a plataforma é indicada para alunos surdos e ouvintes e reproduz com a ajuda e avatares em 3D, situações do cotidiano – como passeio em shoppings, esporte e festas – que auxiliam o aprendizado dos participantes. Aqueles que optarem pelo DVD devem, no entanto, fazer a avaliação final no Portal da Educação (www.educacao.sp.gov.br). Basta informar o número de registro do aluno (R.A.). 
“Além de atender os estudantes, os DVDs vão fazer parte do acervo da escola. Assim, o professor que quiser tratar o assunto em sala de aula também poderá utilizar o material. Desde o lançamento, em 2013, o curso de Libras recebeu mais de 6 mil matrículas”, afirma o secretário da Educação, Herman Voorwald.
NOVAS PLATAFORMAS
Neste mês, a Escola Virtual de Programas Educacionais (EVESP) colocou no ar três novas plataformas educacionais. A parceria com a Fundação Lemann oferece cursos gratuitos, e de reconhecimento internacional, para alunos da rede estadual e comunidade escolar. Fazem parte do pacote: o Khan Academy (biblioteca online com conteúdo de matemática); o Youtube Edu (canal reúne vídeos educativos mais populares da internet); e o Programaê (site indicado para quem quer aprender programação e tecnologia).
EVESP
A EVESP mantém ainda na grade os cursos de inglês, inglês para deficientes auditivos e visuais, espanhol, Defesa Civil A Aventura e Cursinho Pré-Universitário. Todas as plataformas podem ser acessadas por alunos regularmente matriculado na rede e também egressos entre os anos de 2007 a 2013

HAND TALK

Foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (2) a portaria por meio da qual um aplicativo desenvolvido por alagoanos foi escolhido pelo Ministério da Educação (MEC) como padrão em tablets.
De acordo com a publicação, o programa Hand Talk, que é um recurso que conta com o auxílio de um intérprete virtual, o boneco Hugo, consegue interagir com os surdos por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras).
Segundo Ronaldo Tenório, o diretor executivo do aplicativo, a inserção do aplicativo nos tablets Android 4.0 distribuídos para alunos e professores da rede pública de ensino em todo o Brasil possibilitará que os deficientes auditivos tenham acesso à informação 24 horas por dia. 
Em 2012, o programa foi escolhido como o mais inovador do Brasil na Rio Info, um dos maiores eventos de Tecnologia do Brasil. Logo após, a Organização das Nações Unidas (ONU) elegeu o Hand Talk como o melhor aplicativo de inclusão social do mundo em 2013.

LGP (Língua Gestual Portuguesa)




PLATAFORMA ONLINE OFERECE CONTEÚDOS EDUCATIVOS EM LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

São cerca de 700 os vídeos educativos e pedagógicos que vão estar alojados no SAPO, até ao final do ano. O projeto Academia LGP é único em Portugal e conta com a experiência da Fundação PT.
Em http://videos.sapo.pt/academialgp,
alunos do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, assim como professores e familiares que lidam com a comunidade surda, passam a ter acesso a uma ferramenta online gratuita com conteúdos em Língua Gestual Portuguesa (LGP).
O projeto, de nome Academia LGP, conta já com 100 vídeos de matemática, físico-química e história e geografia de Portugal, mas promete não ficar por aqui. Esta é uma iniciativa que está a “crescer todos os dias” e que, até ao final de 2014, vai disponibilizar 700 vídeos na plataforma do SAPO, explica Teresa Salema, diretora de Sustentabilidade e Desenvolvimento de Soluções da Fundação PT. Previsto está também o alargamento a outras áreas do currículo escolar nacional.
De fácil navegação e organizada por disciplina e ano de escolaridade, a Academia LGP está acessível em formato bilingue, ou seja, em português e em LGP. Através deste projeto são difundidos, através do SAPO Vídeos, novos gestos (neologismos) propostos para os conceitos escolares. O projeto permite “dar um salto qualitativo na comunicação e proximidade com a comunidade surda” bem como um maior conhecimento da língua gestual, afirma a diretora.
Vinte anos de experiência ao serviço da comunidade surda

Reconhecida pelo compromisso com a acessibilidade às comunicações e com a educação, a Fundação PT coloca a sua experiência ao serviço da comunidade surda com a criação de uma “solução adaptada e ajustada às necessidades”. 
Esta biblioteca de vídeos é fruto de uma parceria entre a Fundação PT e o Centro de Educação e Desenvolvimento Jacob Rodrigues Pereira (CEDJRP). Além do alojamento no SAPO Vídeos, o papel da Fundação PT passa pela produção da voz-off e montagem de vídeos e doação de equipamento de produção de vídeo. Contribui ainda com a criação de um MEO Kanal.
Durante a apresentação do projeto, no 3.º Congresso Internacional de Educação de Surdos, no Centro Cultural Casapiano, em Lisboa, os representantes da CEDJRP sublinharam o “apoio” e “profissionalismo” da equipa PT que contribuiu para fazer crescer este projeto único.
 


MATERIAL GRÁTIS

Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, mais uma vez, produz um material muito importante para a consolidação da Educação Bilíngue de surdos, O material didático de Libras para os primeiros anos Ensino Fundamental (livro para aluno e livro do professor). Parabéns, São Paulo!
Palavras de (Antonio Abreu Abreu)

BAIXAR: http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Projetos/BibliPed/Anonimo/CadernoApoioLibras.aspx